Inteligência Artificial e Aprendizado de Máquina


O que são e para que servem?

O aperfeiçoamento de tecnologias da informação, não diferente de outras tecnologias, tem causado grande impacto na sociedade humana. Grande parte deste impacto é positiva no sentido de aprimorar a experiência do indivíduo, liberando-o de tarefas mecânicas pesadas ou atividades intelectuais extenuantes. No geral a tecnologia amplia a capacidade humana de transformação da natureza ao mesmo tempo em que facilita a exploração científica que, por sua vez, realimenta o avanço tecnológico. No entanto os mesmos aspectos que podem ser benéficos também podem introduzir desafios. Máquinas, como ferramentas mecânicas, aumentam a eficiência e produtividade de um indivíduo, colateralmente provocando desemprego e concentração de renda. Da mesma forma máquinas eletrônicas que simulam as atividades de cognição e interpretação humanas estão, já há alguns anos, transformando a sociedade e as relações entre indivíduos de modo construtivo, em certa medida. Muitos aspectos desta transformação são claramente nocivos, como a evidente tendência da substituição de trabalhadores por máquinas “inteligentes” ou, por exemplo, a manipulação de opiniões para fins políticos usando o levantamento de perfis psicológicos. No entanto esta é uma tecnologia nova e de crescimento muito rápido e a maior parte do impacto causado por ela continua desconhecido e deve ser considerado com atenção.

A inteligência artificial (IA) começou a ser desenvolvida na década de 1950, em um esforço para automatizar atividades antes empreendidas apenas por humanos. Tomadas de decisão básicas podem ser implementadas por equipamentos simples, tal como um termostato que limita a atividade de um condicionador de ar desligando-o quando uma temperatura mínima é atingida. Processadores, que são o núcleo dos computadores eletrônicos, são formados por grande número de circuitos capazes de implementar testes lógicos básicos descritos na chamada Álgebra de Boole. Com o desenvolvimento da programação, que consiste em uma fila de instruções a serem seguidas pelo computador, tornou-se viável a elaboração de sistemas especialistas. Esses sistemas são compostos por uma longa série de instruções, geralmente com acesso a um repositório de informações (um banco de dados) para a tomada de decisões. Eles podem classificar vinhos, jogar xadrez, resolver problemas matemáticos usando apenas símbolos, entre muitas outras tarefas.

Apesar do sucesso de tais sistemas especialistas existem tarefas de complexidade muito superior à de jogar xadrez ou classificar objetos de um conjunto, mesmo que com milhares de elementos. Uma tarefa como a identificação e localização de objetos em uma imagem, por exemplo, exigiria um conjunto gigantesco de linhas de instruções ou informações em bancos de dados. Para tratar grandes volumes de dados e questões que não admitem soluções por meio de algoritmos fixos, mesmo que complexos, foi desenvolvido o Aprendizado de Máquina Artificial (Machine learning).

 

Ada Lovelace e Charles Babbage

Nas décadas de 1830 e 1840, quando Ada Lovelace e Charles Babbage desenvolveram o Analytical Engine, o primeiro computador mecânico, eles não o consideravam uma máquina a ser utilizada para a solução de problemas genéricos. Pelo contrário, ele foi concebido e utilizado em problemas específicos na área da análise matemática. Nas palavras de Lovelace:

O Analytical Engine não tem pretensões de criar coisa alguma. Ele apenas pode fazer aquilo que conhecemos e sabemos como instruí-lo em sua execução… Sua função é a de nos ajudar com o que já estamos familiarizados.…”

 

Essas conclusões foram analisadas por Alan Turing, o pioneiro da IA, em seu artigo de 1950 “Computing Machinery and Intelligence”, onde são introduzidos os conceitos de teste de Turing e outros que se tornaram fundamentos da IA. Ele concluiu que máquinas eletrônicas poderiam ser capazes de aprendizado e originalidade. Aprendizado de máquina (machine learning) é a resposta positiva para a pergunta: um computador pode ir além das instruções com as quais foi programado e aprender a executar tarefas?

O aprendizado de máquina representa um novo paradigma na programação. Ao invés de armazenar na memória do computador um conjunto de regras fixas a serem usadas na execução de uma tarefa o computador é carregado com algoritmos flexíveis que podem ser modificados por meio de treinamento. O aprendizado consiste em exibir para a máquina um conjunto grande de exemplos anotados (devidamente etiquetados) por um humano ou por outra máquina previamente treinada. Uma vez treinado o mesmo sistema será capaz de identificar corretamente (ou com bom nível de precisão) casos novos além daqueles antes exibidos.

 

Programação clássica x Aprendizado de Máquina

 

Suponha, por exemplo, que queremos identificar em uma pilha de fotos aquelas que contêm imagens de gatos ou cachorros. O código contendo os algoritmos é alimentado com fotos dos animais, cada uma devidamente etiquetada. Uma forma de avaliação de erro da previsão é fornecida juntamente com um algoritmo flexível que pode ser alterado automaticamente de forma a minimizar os erros da avaliação. Por meio da leitura repetida destas imagens o algoritmo é modificado para produzir o menor erro possível de leitura.

 

Treinamento de máquina

 

A este processo chamamos de treinamento. Em terminologia técnica dizemos que ele consiste em alterar os parâmetros do algoritmo de forma a minimizar os erros. Uma vez encontrados estes parâmetros o algoritmo pode ser usado para identificar novas fotos contendo gatos ou cachorros. Ao treinamento feito com o uso de dados etiquetados é denominado supervised learning (aprendizado supervisionado). É também possível submeter à análise do computador um conjunto de dados não identificados com a demanda de que o o algoritmo identifique padrões de forma autônoma e classifique elementos de um conjunto por similaridade desses padrões. No unsupervised learning (aprendizado não supervisionado) é possível que o sistema inteligente distinga padrões que mesmo um humano não seria capaz de perceber.

Machine learning é um método de análise e processamento de dados que automatiza a construção do algoritmo de análise.

O treinamento de máquinas depende da velocidade e capacidade de computadores mas, também, do acesso à informação ou dados. Esse acesso é fornecido pela atual conectividade entre fontes diversas de dados, armazenados de forma estruturada ou não. A habilidade dos computadores de realizar uma análise sobre um volume muito grande desses dados leva ao conceito de Big Data. A operação de busca e coleta desses dados é a atividade de Data Mining (mineração de dados) enquanto a seleção e interpretação desses dados é eficientemente realizada por sistemas inteligentes.

xkcd.com

Embora os primeiros passos na construção de sistemas de aprendizado tenham sido inspirados no funcionamento de cérebros e neurônios humanos (ou animais), as chamadas redes neurais artificiais não são projetadas como modelos realistas da arquitetura ou funcionalidade biológica. A expressão deep learning ou aprendizado profundo se refere apenas às múltiplas camadas usadas para o aprendizado artificial. A plasticidade do cérebro biológico, que é a capacidade de partes do cérebro de se reordenar para cumprir tarefas diferentes daquelas em que estava inicialmente treinado, levantou a hipótese de que algoritmos simples e comuns podem ser especializados para resolver tarefas diversas. Reconhecimento de imagens ou textos, por exemplo, podem ser efetuados por estruturas similares. A neurociência mostrou que a interação de partes simples pode exibir comportamento inteligente e complexo. Considerando as grandes lacunas existentes no entendimento da inteligência biológica, a memória e outras funções dos organismos vivos, é de se esperar que os avanços nessa área da ciência, juntamente com a evolução dos computadores, ainda venha a oferecer guias importantes para o aperfeiçoamento da inteligência artificial.


Onde o Apredizado de Máquina é usado?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *