Inteligência Artificial

Expectativa e Desafio Futuro

No campo das expectativas para um futuro muito próximo podemos mencionar as interfaces entre cérebro e computador mediadas por IAs, conectados à máquinas externas tais como exoesqueletos. Esses sistemas estarão disponíveis para pacientes com acidentes cérebro-vasculares, com traumas, doenças neurológicas, ou simplesmente como uma extensão de habilidades de uma pessoa saudável.

Nenhuma nova tecnologia é introduzida sem apresentar simultaneamente problemas e desafios em seu uso. Estima-se que um número relevante de empregos será perdido para a automação inteligente. Diferente das máquinas mecânicas, que substituíram o trabalhador braçal, agora é razoável considerar que computadores farão o trabalho de profissionais com níveis mais elevados de qualificação. Investimento em equipamentos, e não em pessoas, provavelmente aumentará o problema do desemprego e da concentração de renda.

O uso das máquinas para recomendações de conteúdo, por exemplo, tem se mostrado problemático em algumas plataformas. Buscando atrair a atenção do usuário e mantê-lo por mais tempo conectado e fidelizado as redes apresentam como sugestões conteúdos cada vez mais contundentes, muitas vezes envolvendo violência e intolerância. A indicação de conteúdo de fácil aceitação, em geral aprovado por muitos usuários, tende a esconder aqueles de menor circulação ou de gosto mais elaborado. Como resultado se observa a tendência de uniformização e formação de guetos, com a consequente inclinação à radicalização e intolerância. Junta-se a isso a facilidade para a geração inteligente de imagens, áudios e vídeos falsos que torna as campanhas de desinformação ainda mais nocivas e de difícil deteção.

Os problemas envolvendo a indústria da propaganda nos meios virtuais ficam exacerbados pelas práticas ilegais e imorais do roubo de dados. Dados se tornaram um produto valioso e a ausência de uma legislação atualizada estimula a prática da invasão de computadores e telefones pessoais e corporativos. Redes sociais importantes já foram flagradas vendendo informações sobre seus usuários que são usadas para o mero estímulo ao consumo ou para o atingimento de metas políticas muitas vezes obscuras e antidemocráticas.

A habilidade das IAs de reconhecer texto escrito e falado e extrair conteúdo das linguagens naturais agrava a ameaça à privacidade. Uma espionagem feita pelo microfone de um celular pode não apenas indicar que tipo de propaganda deve ser oferecida ao usuário mas também revelar traços que essa pessoa gostaria de manter privados, tais como traços de comportamentos íntimos ou a presença de uma doença.

Questões éticas, usualmente difíceis, ficam mais complexas na presença de IAs. Quem deve ser responsabilizado se um médico autômato comete um erro em seu diagnóstico ou procedimento? Quanta autonomia se pode atribuir à um juiz máquina ou a um automóvel auto-guiado? É aceitável permitir que um drone armado dispare contra um grupo que ele considera perigoso?

Provavelmente a afirmação do falecido físico Stephen Hawkings de que “O desenvolvimento de uma inteligência artificial completa pode determinar o fim da raça humana” seja pessimista em excesso.

É inegável, no entanto, que vigilância e responsabilidade devem ser elementos comuns no uso de toda nova tecnologia.

Referências

CHOLLET, F.. Deep Learning with Python. Nova Iorque: Manning Publications Co., 2018.

GOODFELLOW, I.; BENGIO, Y.; COURVILLE, A. Deep Learning: Cambridge, MA : MIT Press, 2017.

UNESCO. Artificial Intelligence in Education: Challenges and Opportunities for Sustainable Development, United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization, Paris, 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *