Ceticismo



“Há uma teoria afirmando que, se qualquer pessoa um dia descobrir o que é o universo e porque ele está aqui, ele vai imediatamente desaparecer e ser substituído por algo ainda mais bizarro e inexplicável. Existe também outra teoria afirmando que isso já aconteceu.
— Douglas Adams, O Guia do Mochileiro das Galáxias.

Este artigo é continuação de

mas pode ser lido independentemente.

Recapitulando

Em artigos anteriores vimos que nossos mecanismos de percepção, incluindo os órgãos sensórios, nosso processamento cerebral das informações obtidas e memória são sofisticados e eficientes mas não infalíveis. Resumimos essas afirmativas como:

  • Não podemos confiar no que vemos, ouvimos ou percebemos por qualquer de nossos mecanismos sensoriais.
  • Não podemos confiar na interpretação que fazemos dessa captação sensorial.
  • Não podemos confiar na memória que temos dessas experiências e da interpretação que delas obtivemos.
A caverna de Platão

Estas características humanas têm grande impacto quando se tenta fazer pesquisa científica e por isso a questão é tratada com bastante cuidado. Nossos sentidos são ampliados por meio de receptores mais gerais ou mais potentes, tais como telescópios que permitem colher uma quantidade maior de luz e com maior resolução, mostrando objetos que estão longe, microscópios para ver de perto coisas pequenas, aceleradores de partículas para ver coisas ainda menores ou termômetros para aferição rigorosa e independente de quem lê a temperatura. Construímos aparelhos para ver o universo na faixa de ondas de rádio, os radiotelescópios, ou sensores de infravermelho para ver no escuro. A interpretação dos dados é a parte mais delicada. A informação obtida é analisada com base em modelos matemáticos que estão sendo testados, muitas vezes usando computadores. Nessa análise se busca diminuir o efeito dos vieses de cognição por meio da repetição dos experimentos, da verificação crítica da comunidade científica e tratamento estatístico de dados. A memória ou registro dos dados conta com uma linguagem de precisão, onde termos devem ser bem definidos, por meio de artigos, livros e, nos últimos tempos, os bancos de dados eletrônicos.

Em termos pessoais deveria se supor que a busca por uma visão clara (ou tão clara quanto possível) do mundo, de nosso relacionamento com ele e de nossas relações interpessoais deveria ser uma prioridade para todos. Mas, por diversos motivos, isso não ocorre. A maioria das pessoas vive envolta em uma nuvem de crenças obscuras, de informações distorcidas sobre ciência e sociedade e de má vontade para quebrar o ciclo vicioso da desinformação.

Todas essas coisas levam a destacar a necessidade de uma postura cética para processar o conteúdo que chega até nós. Essa postura faz maior diferença quando se trata da educação. Crianças são ingênuas e acreditam no que é dito. Antes de terem a menor possibilidade de discriminação lhes é ensinado qual Deus é o verdadeiro, quais preconceitos são bem vindos na sociedade em que vivem, quais devem ser suprimidos ou ocultados da convivência social. Elas vêm a discriminação de raças, por exemplo, e se tornam racistas sem que nenhum adulto tenha explicitamente ensinado isso. Elas embarcam sem questionar em uma sociedade que cultua líderes, autoridades religiosas e celebridades. E elas assistem televisão e seus programas de alta audiência que exploração a credulidade e superstição.

Em um experimento em psicologia social uma pessoa entra em uma sala de espera repleta de pessoas que se levantam toda a vez que soa um alarme. Sem saber que seus companheiros de espera são atores agindo sob combinação prévia com os experimentadores, essa pessoa estranha o fato mas passa a se levantar também. Aos poucos as pessoas vão sendo substituídas até que nenhum dos atores esteja mais na sala. Porém os que restam continuam se levantando, mesmo que, para eles, tal ato não tenha nenhum significado.

A exploração da credulidade não é inócua. Pelo contrário ela causa danos e pode levar à morte. No entanto, em tempos de veiculação rápida das ideias e das descobertas, vemos também a proliferação das pseudociências, das curas paranormais ou exploração da fé.

Considere, por exemplo, a astrologia. Ela faz afirmações concretas sobre as pessoas, sobre suas personalidades, sobre as afinidades em relacionamentos e até sobre eventos futuros na vida de um indivíduo. Uma pergunta deveria ser óbvia: alguém testou as predições astrológicas? A resposta é: claro que sim. E nenhuma correlação foi encontrada entre as afirmações de astrólogos e o que é observado. Em primeiro lugar não existe nenhum mecanismo conhecido, nenhuma interação descrita pela ciência que justifique o efeito da posição de planetas na formação e condução em vida de um ser humano. Nenhuma das proposições apresentadas pelos praticantes para justificar o mecanismo de funcionamento da astrologia pode ser testada ou refutada.

O teste é bastante difícil uma vez que nem os próprios astrólogos convergem entre si em suas afirmações. Mas, no que existe de concreto na predição dos astros, como incidência de doenças ou preferência por uma profissão por grupos de pessoas do mesmo signo, falham quando cotejada com a informação externa.

Também o estudo da parapsicologia, apesar das inúmeras afirmações em contrário, não mostrou evidências de fenômenos paranormais. Apesar disso vemos a incessante divulgação de curas miraculosas, de médiuns, adivinhos, do poder da oração. Em tempos de pandemia por Covid-19 (quando esse texto está sendo escrito) existem pastores vendendo a cura por meio de orações, feijões, água e óleos “consagrados”.


A absoluta maioria das pessoas no Brasil em 2020 acredita no poder da oração. Esse poder foi testado? Mais uma vez, claro que sim. Não se pode negar que oração e meditação podem trazer tranquilidade, reduzir o estresse, diminuir a pressão sanguínea da pessoa que ora e aumentar seu poder de autocontrole. De fato, uma grande área de pesquisa se desenvolve sobre os efeitos da mente sobre o corpo, do poder de nosso psiquismo sobre nossa saúde e bem estar. Isso é muito diferente de afirmar que um grupo de fiéis rezando para pessoas doentes pode controlar em qualquer nível a saúde dessa pessoas. Vários testes foram realizados, alguns “meta-estudos” (análise retroativa de dados anteriormente obtidos), nenhum deles sustentando a afirmação de que as preces foram eficazes. Em um deles três grupos de pessoas hospitalizadas foram acompanhadas pelos pesquisadores. O primeiro grupo recebeu orações de voluntários, pessoas de fé, e foi informado disso. O segundo grupo recebeu orações mas não foi informado. O terceiro grupo não recebeu nenhuma oração. Nenhuma diferença estatisticamente sólida foi observada. A análise desses estudos é difícil e em alguns casos se relatou “pequena margem de verificação de sucesso”. Por outro lado houve casos em que pessoas que receberam orações pioraram seu estado, quando comparadas com as demais.

“Consiga um bilhão de cristãos rezando por uma única pessoa amputada. Recomende a elas que peçam a Deus que reconstrua o membro que está faltando. Afinal, isso acontece com salamandras todos os dias, e nem necessita de orações; portanto está dentro das capacidades de Deus. Acho curioso que as pessoas de fé só rezam para pedir graças que seriam alcançadas mesmo sem nenhuma oração.”
— Sam Harris, The God Debate, RichardDawkins.net.

Em todos os estudos de eficácia de intervenções na saúde de uma pessoa deve ser considerado o efeito placebo. Se um curandeiro entra no quarto de um paciente, principalmente alguém que tenha por ele respeito, conversa com ele carinhosamente e se mostra interessado em sua cura, as chances de que ocorra uma de melhora, ainda que temporária, são significativas. Por isso todos os tipos de tratamento, inclusive medicamentosos, devem ser comparados com o efeito de um placebo.


O pior efeito das pseudosciências é encontrado nos tratamentos médicos alternativos, nas curas por medicamentos não testados, nos remédios homeopáticos, nos curandeiros e suas “terapias espirituais”, imposição de mãos tipo reiki, etc. Mesmo que a maioria desses tratamentos seja inócua e sem efeitos colaterais, eles tendem a fazer com que os pacientes abandonem os tratamentos médicos. Depositar confiança em um medicamento ou prática médica sem teste é um risco muito grande.

Remédios homeopáticos devem receber uma atenção especial. Aparentemente inofensiva a indústria farmacêutica e de tratamentos “alternativos” envolvem valores financeiros altos e escapam da regulamentação ordinária válida para o setor. Medicamentos homeopáticos são feitos de plantas, minerais e substâncias químicas em concentrações altamente diluídas em água ou em álcool, de forma que, para algumas “dinamizações” (níveis de diluição) nenhum átomo da substância original permanece na substância manipulada. Quanto maior a “dinamização de uma fórmula homeopática menor a quantidade de substância original permanece no medicamento. Novamente, não existem mecanismos conhecidos pela ciência para explicar que efeito residual pode permanecer na água ou álcool usados. Sem efeito testável o uso da homeopatia se resume à crença de quem se utiliza deles.

O caso Emily Rosa

Estudantes repetem o experimento de Emily Rosa.

Em 1998 Emily Rosa, uma garota com 9 anos de idade, se tornou a pessoa mais jovem a publicar um artigo em um periódico sério revisado por partes, o Journal of the American Medical Association. Emily assistiu vídeos onde praticantes do toque terapéutico se declaravam capazes de perceber “um campo de energia” emanado por seus pacientes. O toque terapéutico é uma técnica em que seus praticantes, sentindo o efeito da energia das pessoas, inclusive falhas nesse campo, se diziam capazes de reparar a saúde desses pacientes reforçando seus campos energéticos.A garota ficou curiosa e determinada a testar se 21 praticantes voluntários da técnica eram realmente capazes de perceber tal campo. Ela pediu que se sentassem em um mesa atrás de biombos. Aleatoriamente Emily colocou sua mão sobre uma das mãos dos praticantes, pedindo que eles identificassem que mão era aquela. Cada uma das pessoas testadas passou por 10 tentativas mas não obteve sucesso em mais de 4.4 vezes, na média. Os acertos não passavam daqueles obtidos por mero acaso. A menina havia mostrado que os praticantes, por mais sérios que fossem em suas afirmações, não eram capazes de detectar campos energéticos em sua mão.

Ceticismo e Religião

“E Ele é Quem desenleou os dois mares: este é doce, sápido, e aquele é salso, amargo. E fez, entre ambos, uma barreira e terminante proibição de sua mescla.”
— Alcorão 25:53

Há no Alcorão a afirmação de que a água salgada do mar e a água doce dos rios não se misturam. A afirmação vem sendo repetida há séculos, sem que a maioria das pessoas façam um teste simples. Essa afirmação resiste ao teste de um experimento?

É claro que uma sociedade livre deve preservar o direito das pessoas de crerem no que quiserem e de realizarem os cultos de sua escolha, desde que não firam as leis do grupo maior. Mas a interação entre grupos de cultos e sociedade pode ficar bastante complicada. Como deve se portar um médico que se vê impedido de fazer uma transfusão de sangue essencial para a preservação da vida de uma criança cujos pais são Testemunhas de Jeová e não autorizam a transfusão? Como deve agir o estado que se vê impedido de completar um programa de vacinação de crianças por recusa de pais apoiados em motivos religiosos ou não, quando a falta de vacinação de alguns põe em risco a sociedade toda? Ou quando uma política de redução da natalidade se faz necessário e é bloqueada por iniciativa de grupos religiosos?

Vivemos em uma cultura que valoriza, por princípio, a fé das pessoas. Em certo sentido a fé pode ser vista como algo construtivo e bom, como a esperança de que poderemos superar os problemas atuais, individuais ou do grupo, e construir tempos melhores. Mas é praxe chamar de fé a confiança em coisas que não podem ser provadas ou verificadas. Não é necessário perguntar se alguém tem fé nas leis de Newton ou na Teoria da Relatividade de Einstein pois elas podem ser verificadas. Ou você conhece essas teorias ou as ignora. Fé é a confiança implícita, muitas vezes inconsciente, em instruções não processadas pelo senso crítico.

A fé pode levar a conflitos e incoerências internas. Uma pessoa que estuda a Bíblia e crê no relato literal do Gênesis e, simultaneamente, conhece a Teoria da Evolução e sabe como ela é testada e confirmada por um grande número de observações, tende a construir em sua mente a imagem de um universo constituído de setores disjuntos e irreconciliáveis. Não é possível que criacionismo e evolução estejam ambos corretos em um universo consistente. E, caso ele não seja consistente e mostre faces totalmente diversas em situações diferentes então não é possível a construção da ciência. Nesse caso ela faria bem em abandonar a tentativa de entender e usar a ciência (o que, é claro, envolve a tecnologia nela baseada), ou conviver com uma hipocrisia inerente e desabilitante.

Adão e Eva no Jardim do Éden, por Wenzel Peter, Museu do Vaticano. + Darwin!

Com frequência se menciona o fato de que grandes cientistas do passado eram religiosos, e isso é um fato. Muitos dos primeiros físicos estudavam a natureza como uma tentativa de entender a divindade. Newton, por exemplo, gastou mais tempo de sua vida estudando a Bíblia e alquimia do que dedicado à física e a matemática. Ele acreditava que poderia encontrar no texto cristão algum tipo de código deixado por Deus para revelar os mistérios do universo. Ele entendia Deus como o criador cuja existência podia ser confirmada pela grandeza da “criação” e rejeitava o ponto de vista de Leibniz de que o mundo fora criado suficientemente perfeito, não mais exigindo intervenção do criador.

Issac Newton
“Esse sistema maravilhoso formado pelo Sol, planetas e cometas só pode proceder do conselho e domínio de um Ser inteligente. […] Este Ser governa todas as coisas, não como a alma do mundo mas como Senhor de todas as coisas; e por causa de seu domínio ele costuma ser chamado de “Senhor Deus” παντοκρατωρ [pantokratōr] ou “Governante Universal”. […] O Deus Supremo é um Ser eterno, infinito, [e] absolutamente perfeito.
A oposição à divindade é ateísmo na profissão e idolatria na prática. Por ser tão desprovido de sentido e odioso para a humanidade o ateísmo nunca teve muitos defensores.
— Isaac Newton, Principia.

No entanto, enquanto buscava “revelar e exaltar a glória de Deus”, Newton lançou os fundamentos de uma explicação científica lógica para o movimento dos astros que totalmente prescindia da intervenção divina. Para a surpresa dos pesquisadores com o desenvolvimento da mecânica uma descrição cada vez mais precisa do movimento e até da origem das coisas foi sendo desenvolvida. O relato que se segue tem veracidade histórica discutida, mas é bastante interessante e pode ter ocorrido. Quando Laplace apresentou uma cópia de sua obra a Napoleão o imperador se surpreendeu com a ausência da menção a Deus em sua explicação sobre como teria surgido o sistema solar. Laplace teria respondido que “não necessitou de tal hipótese”. Laplace havia escrito uma obra contendo a descrição do sistema solar baseada nas leis de Newton e nela não fez qualquer referência à intervenção divina.

Napoleão, Deus e Laplace. (God the Father, Guercino )

O conceito de uma divindade foi progressivamente esquecido e relegado às causas primeiras, como um criador que colocou as coisas em movimento e depois se retirou. Essa leitura tem recebido a acusação de ser a defesa pouco racional de um “Deus das lacunas” que vai sendo empurrado para regiões cada vez mais remotas na medida em que o conhecimento se amplia.

Laplace propôs uma teoria onde poeira estelar se aglomeraria em um disco, depois em anéis, dando origem ao Sol e os planetas.

Filosoficamente se argumenta que não se pode provar a inexistência de Deus. De fato, não se pode provar a inexistência de coisa alguma e a afirmação perverte a lógica mais elementar de que o ônus da prova recai sobre quem afirma. Pode ser que nunca saibamos por certo se Deus existe ou não. Isso não nos desobriga de perceber que esse conceito não faz parte da construção científica, pelo menos por enquanto. Progressivamente o número de cientistas e acadêmicos que se declaram religiosos tem diminuído. Como mostrado na figura, uma pesquisa da American Association for the Advancement of Science mostrou que entre cientistas o número de pessoas de fé é bem menor que entre pessoas do público em geral. Os dados são dos EUA (uma vez que não temos esses dados para o Brasil).

Fonte: Pew Research Center for the People & the Press, , pesquisa realizada em maio e junho de 2009.

Apesar de estarem em menor número existem casos de cientistas notáveis que sustentam suas crenças. Um deles é o do médico-geneticista Francis Collins que liderou o Projeto Genoma Humano e descobriu vários genes associados à doenças. Collins cresceu em um ambiente religioso mas se considerou um ateu enquanto estudante universitário. Já como médico, em um diálogo com um paciente hospitalizado, ele se sensibilizou e questionou sua própria falta de fé e passou a considerar diversas abordagens para a questão. Segundo seu relato, em uma viagem para as Montanhas Cascades, admirando a beleza de uma queda d’água congelada ele se converteu, transformando-se em um “cristão sério”. Collins foi uma criança educada em ambiente cristão que retornou para sua fé após considerar o sofrimento das pessoas e a beleza da natureza, elementos fortes para induzir uma experiência religiosa pessoal mas não conclusivos como argumentação científica.

Suponha que você acredita na existência de um fenômeno paranormal de qualquer natureza. Não é o objetivo dessa argumentação mostrar que você está errada(o), e muito menos propor outra visão mais “correta ou verdadeira”. Principalmente quando o debate envolve tema de foro muito íntimo, como a existência de (digamos) uma alma imortal, que existe independente do corpo, não deveria haver uma pessoa (ou várias) capazes de confirmar ou desmentir a sua visão. Então, neste caso, ceticismo significa que você deve analisar sua percepção das coisas e descobrir se você sabe algo a respeito ou apenas acredita. Ceticismo consiste em entender que suas crenças tem uma importância relativa e devem ser mantidas sob permanente escrutínio. E, caso você decida que sabe algo (novamente, digamos) sobre a existência da alma, e pode mostrar isso, então você tem um compromisso com a humanidade inteira, demonstrando do modo inequívoco a existência dessa entidade (a alma).

Seria interessante pensar em um desafio: Como você faria para demonstrar de forma clara, inquestionável e sem necessidade de fé, que a consciência humana pode existir independentemente do corpo?


A partir de 1975, com as pesquisas de Raymond Moody e a publicação de seu livro Life After Life (A Vida depois da Vida) aumentaram muito os relatos de experiências de quase morte. Pessoas que estiveram próximas da morte, algumas vezes inconscientes e até em coma, quando voltam à consciência relatam ter passado por experiências extra-corpóreas, tendo presenciado tudo o que ocorreu em seus ambientes. Como um teste, muitos médicos e enfermeiros passaram a colocar objetos inusitados em locais inacessíveis, tais como no alto de armários, coisas que seriam vistas e notadas por alguém flutuando fora de seu corpo. Até o momento não há relato de alguém que tenha visto esses objetos.

Fé e dogmatismo não são características exclusivas da religião e dos religiosos. A política desperta paixões e defesas apaixonadas muito próximas do proselitismo religioso. Até mesmo a defesa de teses científicas podem revelar o lado mesquinho da identificação egocêntrica de um pensador com seu pensamento. A história da ciência mostra, no entanto, que todas as guerras científicas foram travadas em cima de vaidades e falta de evidências.

Concluindo

Acreditar não é saber! Mais uma vez, acreditar é inerente ao ser humano e não parece razoável esperar pessoas nem sociedades sem crenças. No entanto seria útil para a sociedade que as pessoas compreendessem exatamente (ou tanto quanto possível) o que são as suas crenças e o que é o seu conhecimento.


Você já pensou sobre por que tantas pessoas tiveram que morrer queimadas em foqueiras por serem bruxas e bruxos na idade média? Essas pessoas foram acusadas, e muitas vezes confessaram, de terem associação com o demônio. Em uma das formas de interrogatório o padre interrogante colocava a bruxa nua e a espetava com um estilete por todo o corpo procurando um ponto sem sensibilidade que era, supostamente, o ponto do demônio. Outra técnica consistia em jogar as bruxas amarradas a pedras dentro d’água. Se afundassem eram bruxas verdadeiras. Curiosamente muitas dessas pessoas se julgavam de fato feiticeiros e feiticeiras. Talvez essas tenham morrido satisfeitas julgando que estavam indo ao encontro de seu mestre.Claro que, nos primeiros tempos do cristianismo, os cristãos também gostavam de virar mártir e partir mais cedo que o necessário para encontrar um destino nobre nos céus.

Como espécie estamos enfrentando desafios totalmente novos. Aquecimento do planeta, espalhamento global de epidemias devido à circulação das pessoas, concentração excessiva de renda (com o consequente aumento da pobreza), dificuldade de assentamento, manutenção, alimentação de uma população em crescimento exponencial, são alguns deles. Seria muito bom contar com cidadãos esclarecidos e capazes de tomar decisões sensatas.

Ceticismo não significa a negação de todas as afirmações por princípio e sim a intenção de analisar essas afirmações com critério. Existe o lado reconfortante da crença mas esse conforto está em óbvia rota de colisão com a tentativa de ver as coisas com clareza. Crenças podem ser perigosas. Por exemplo, acreditar que “tudo vai dar certo no final porque tem alguém cuidando de nós” é apenas um sinal de fraqueza e de medo. Essa pode ser uma solução para a vida pessoal dos indivíduos que não querem encarar o perigo de viver, a decadência e a morte. Mas certamente não é boa postura coletiva para guiar os rumos da sociedade. Existem inúmeras ameaças concretas ao indivíduo, às comunidades em todas as escalas, à vida e até ao planeta. Ter fé em qualquer tipo de estabilidade ou segurança universal é um passo para não se tomar as atitudes necessárias para contornar esses desafios.

Bibliografia

6 comentários sobre “Ceticismo

  1. Prezado acreditar não é saber, embora o fazer científico nasce na crença na própria ciência. Pode-se falar de fé e razão, mas é difícil falar de razão sem fé. Há de se crer na ciência, e deixar a fé para quem dela necessita, como você mesmo disse a mente humana ainda não conseguiu decifrar-se. Há muito que compreender nesse jogo de saberes e compreensões. Deus é plural! Abraço fraterno!

    • Reconhecer a ignorância é um passo essencial, tanto do ponto de vista pessoal como da ciência, como instituição.

      Acredito que a ciência esteja perto de poder tratar de forma objetiva a consciência humana. Esse acreditar está baseado no que vejo de progresso sobre o funcionamento do cérebro, na neurociência e no entendimento dos processos do pensar. Isso torna emocionante estar acompanhando essa evolução nos dias de hoje. De certo é um longo caminho pela frente.
      Abraço!

  2. Muito bom. Mais uma vez, você me convenceu que, entre nós, existem seres pensantes. Gostaria de deixar uma sugestão para você assistir na pandemia: O Medo da Felicidade – Flávio Gikovate. Tá no YouTube. Abs

    • Flávio Gikovate deixou alguns textos e vídeos muito bons, realmente. Tive o prazer de assistir a gravação de seu programa por duas vezes!

  3. Uma coisa que depende de que se acredite para que funcione é psicoterapia, apesar de tentarem dar uma roupagem científica, é algo bem subjetivo. Assim como as pessoas que vão a videntes, curandeiros, astrólogos, pastores e até mesmo em coaches afirmam que essas coisas funcionam, é porque são enganadas por estes e/ou pelo efeito placebo. Por exemplo, as teorias de Freud são pseudociência (e qualquer outra coisa que pretenda dizer algo sobre a sua personalidade ou tentar mudá-la). O pior é saber que esse tipo de pseudagem é usado para eliminar injustamente candidatos a concursos públicos e motorestas.

    Mais da metade dos estudos de Psicologia não pode ser reproduzido. Entenda por que isso é um problema/.

    Validade preditiva de instrumentos psicológicos usados na avaliação psicológica de condutores.

    O governo da Austrália anunciou nesta sexta-feira que vai dobrar as taxas de cursos de Humanas. Isso causou um alvoroço e pessoal até largou o bong para reclamar. O motivo que o governo Canguru deu foi que, de repente, os alunos se interessem por coisa que preste e que seja mais útil e relevantes para o mercado de trabalho
    Claro, o pessoal de Humanas teve um chilique com isso.
    O ministro da Educação, Dan Tehan, disse que o governo quer encurralar os jovens em direção a “empregos do futuro” para impulsionar a recuperação econômica do país da pandemia de coronavírus. Entretanto, na visão dos academicistas, é errado você melhorar a economia e qualidade de vida. Todo mundo tem que ficar filosofando, já que apenas um curso de Humanas prepara a pessoa para ter um pensamento crítico. Afinal, só aqueles luminares conseguem pensar. E só conseguem isso indo pra uma faculdade para ler gente que morreu no século XIX e achar resposta para os problemas de hoje. Só que esses problemas não é achara melhores ligas metálicas, computadores mais avançados ou vacinas para doenças mortais hoje. Não, esse pensamento crítico é para criticar que é preciso ter pensamento crítico para criticar quem não fez faculdade para ter pensamento crítico.

    MEU PHYLHO!!!
    Se você precisa de uma faculdade para lhe fazer pensar, então você é uma toupeira e só vai repetir o que os outros lhe adestrarem. É tipo uma igreja. O filósofo é apenas um palpiteiro que todo mundo dá importância, mas em essência seria um blogueiro como qualquer um, ou alguém que posta thread no Twitter ou faz textão no Facebook. Tudo depende de quem te acha um gênio. Ainda assim, apenas alguém que dá palpite sobre tudo, independente das bobagens que fale.
    O mais legal de gente que cursa Filosofia é que eles leem gente que não fizeram faculdade de Filosofia e apelam muitas vezes para o lugar-comum. Diferente de um químico que vai ler os trabalhos de Mendeleyev, que efetivamente trouxe conhecimento novo.
    Porque, no final da pandemia, as pessoas que sobreviveram foi por causa de gente que pesquisou remédios, tratamentos, criou sistemas online para não terem que ir em escolas se expondo à contaminação e fizeram a economia girar, não graças a alguém sentado com a bunda em casa com boletos pagos pelos pais, que por sinal lhe deram coisas que foram conseguidas pelos cursos STEM e não por causa daquele psicopata do Wittgenstein brandindo atiçadores de lareira quando eram contrariados.
    De resto, sociólogo trabalha em que, mesmo?

    Fonte: Australia plans university fees hike to deter humanities students

    • Penso que o ensino deve buscar cobrir as várias áreas do conhecimento e da investigação para que se mantenha, na sociedade, um pensamento equilibrado. Embora sendo da área de exatas não posso conceber uma sociedade que não possa pensar sobre questões de humanidades, psicologia, artes, etc.

      Quanto à formação de nível superior discordo um pouco do que você comentou. É evidente que uma pessoa pode ser um autodidata e crescer muito no conhecimento das coisas. Mas existem áreas em que isso é muito difícil, senão impossível. Temos uma ciência e tecnologia muito avançada e complexa e a universidade foi a melhor forma encontrada para levar rapidamente os jovens até um patamar de conhecimento onde possam atuar de modo eficaz. Mesmo estes não podem se descuidar de sua formação continuada. Isso não quer dizer que o processo de educação não possa ser aprimorado.

      Você imagina que pesquisadores leigos ou amadores podem trabalhar para encontrar a vacina do Covid-19, por exemplo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *